PUBLICIDADE

A enfermagem médico cirúrgica é uma área de atuação bastante ampla, e lida com uma grande variedade de pacientes. Geralmente, esses profissionais irão atuar junto a cirurgiões e médicos com especialidades em anestesiologia e cirurgia geral.

Quando olhamos para a história da enfermagem, podemos observar que o nascimento da profissão, enquanto categoria, surge atrelado aos cuidados que são prestados a pacientes em condições graves. Lembra-se de Florence Nightingale prestando cuidados junto aos soldados da guerra da Criméia?

A nossa profissão surge com o objetivo inicial de prestar assistência aos enfermos do campo de guerra e, mais tarde, volta-se para a prestação de cuidados hospitalares.

Veja Também:

Artigos relacionados a enfermagem cirúrgica

Como a Enfermagem Médico Cirúrgica Nasceu?

A enfermagem médico-cirúrgica tem uma história bastante longa. Podemos afirmar que essa área foi uma das primeiras especializações da nossa categoria a se desenvolver.

Antigamente, antes do advento da medicina moderna como a conhecemos hoje, era muito comum que em diversos lugares, as mulheres assumissem o papel de cuidadoras.

Os pacientes, por vezes, eram tratados dentro de templos religiosos com terapias naturais e baseadas em incensos, chás e várias outras preparações com plantas medicinais.

Obviamente, essas mulheres não tinham nenhum tipo de treinamento. Suas ações seguiam a intuição e as práticas eram baseadas em fatores culturais e com base na experiência. O ensino era repassado de geração em geração.

No início do século XVII, as práticas de enfermagem avançaram, quando um padre francês, chamado de Vicente de Paulo, começou a incentivar as mulheres que trabalhavam como enfermeiras na igreja a serem treinadas formalmente, por meio de um curso específico.

Apesar deste estímulo, as primeiras escolas de enfermagem foram surgir apenas após o ano de 1876. Nessa época a medicina moderna já estava se desenvolvendo enquanto profissão.

A enfermagem surge, então, como uma profissão que prestaria um “auxílio” aos médicos nos hospitais.

Podemos dizer que este estigma ainda existe até hoje, não é verdade?

Com o surgimento das primeiras escolas de enfermagem, surgiram as primeiras enfermeiras diplomadas. Uma delas, foi Florence Nightingale, que se formou na Alemanha em 1876.

Florence segui para o seu país natal, a Inglaterra, e fundou a sua própria escola de enfermagem em Londres, propondo uma divisão na enfermagem: enfermeiros e técnicos de enfermagem.

Podemos afirmar que Florence foi uma grande pioneira, contribuindo significativamente para a história da nossa profissão, ao elevá-la ao status de ciência moderna.

Portanto, devido ao contexto da época, a enfermagem nasce na perspectiva de prestação de cuidados diretivos voltados aos pacientes médicos cirúrgicos.

Nos Estados Unidos da América, a nossa profissão surge apenas no final do século XIX. Em parte, os cursos de enfermagem cresceram rapidamente devido ao crescente aumento do número de hospitais. A primeira e segunda guerra mundial contribuíram para esse crescimento explosivo entre os anos de 1904 e 1932.

A enfermagem se torna uma profissão essencial ao funcionamento dos hospitais da época. Enquanto os médicos prescreviam as medicações, as enfermeiras estavam ao lado dos pacientes prestando os mais variados tipos de cuidados.

PUBLICIDADE

As mulheres assumiram um papel predominante da enfermagem por muitos anos. De fato, até meados da década de 60, existiam poucos homens exercendo a profissão.

Mas o que tudo o que foi contado até aqui tem em comum com a enfermagem médico cirúrgica?

Apesar da história da enfermagem até aqui descrita ser bastante generalista, acontece que as primeiras enfermeiras eram basicamente enfermeiras médico cirúrgicas!

Para se ter uma ideia, os cursos de enfermagem da época tinham poucas disciplinas, e geralmente eram voltadas apenas para três temas: medicina, cirurgia e prevenção de doenças.

No entanto, com o passar dos anos, as escolas foram se aprimorando, e a necessidade de currículos mais abrangentes era fundamental. Aos poucos, foram sendo acrescentadas disciplinas variadas, juntamente com outras especialidades médicas.

Apenas a partir da década de 1970 é que temos as primeiras especializações na área da enfermagem, como conhecemos hoje.

A área de Enfermagem Médico Cirúrgica Atualmente

Hoje, a enfermagem médico cirúrgica é uma disciplina fundamental nos cursos de enfermagem, em todos os níveis: enfermeiros, técnicos e auxiliares!

Geralmente, é uma disciplina que não é inserida nos primeiros anos/meses de curso, por abranger conteúdos mais avançados e técnicas mais complexas. Portanto, todos os profissionais da enfermagem irão ter contato com essa área em algum momento, seja no curso ou durante os estágios curriculares obrigatórios. No entanto, o contato com essa área é geralmente curto, durando cerca de 60 a 240 horas, a depender do curso e da instituição de ensino.

Também é possível se aprimorar nessa área, por meio de especializações voltadas a essa temática. Geralmente, as especializações duram no mínimo 1 ano e preparam os profissionais para atuarem nas áreas hospitalares, como urgência e emergências, centros cirúrgicos, setores de internação médica e Unidades de Terapia Intensiva.

Os profissionais que atuam na área médica cirúrgica possuem uma gama avançada de habilidades, uma vez que seu trabalho se dá diretamente com a lida de pacientes que exigem cuidados críticos e complexos.

O mercado de trabalho nessa área é bastante amplo, uma vez que as vagas existentes se concentram em hospitais, unidades de saúde avançadas e em cuidados pós cirúrgicos em home care. Portanto, as possibilidades são amplas!

enfermeira medico cirurgica

O que se estuda na disciplina/Especialização?

Na disciplina médico cirúrgica, os alunos terão aulas teóricas, práticas e estágios voltados para os cuidados de enfermagem com pacientes internados em hospitais.

Assim, os principais tópicos que são abordados nas disciplinas e que são aprofundados numa especialização, são:

  • Enfermagem em Unidade de Terapia Intensiva
  • Princípios éticos e legais no cuidado de pacientes em estados críticos e semi-críticos
  • Enfermagem Cirúrgica
  • Práticas Avançadas em Enfermagem
  • Atuação em Urgência e Emergências
  • Cuidados Paliativos Pós Cirúrgicos
  • Cuidados aos Pacientes Adultos e Idosos

As habilidades que se esperam do profissional especialista em enfermagem médico cirúrgica são:

PUBLICIDADE

  • Cuidados de enfermagem em pacientes críticos e semi-críticos
  • Cuidados gerais a pacientes em unidades de terapia intensiva
  • Técnicas: sondagens (vesical e de demora), aferição de punção venosa central, administração de medicamentos, aplicação de escalas de aferição de risco, balanço hídrico, e demais técnicas avançadas de cuidados de enfermagem.
  • Garante a qualidade dos cuidados prestados pela equipe de enfermagem
  • Capacidade de liderar a equipe, motivar e conduzir os colegas na resolução de problemas
  • Sistematizar a assistência de enfermagem de modo metódico, garantindo a qualidade dos processos implementados
  • Gerenciamento de situações de risco na enfermagem
  • Atuar com eficácia e segurança na prestação de cuidados
  • Intervir rapidamente, identificando a piora do estado clínico dos pacientes
  • Gerência da equipe de enfermagem, manutenção dos materiais, equipamentos e insumo da unidade hospitalar
  • Analisar de forma crítica as melhores evidências disponíveis na literatura científica em enfermagem, para a adoção das melhores práticas de cuidados

Gostou deste conteúdo? Então não se esqueça de compartilhá-lo com seus amigos!

Juarez Coimbra

É enfermeiro, doutorando em Enfermagem pela Universidade Federal de Mato Grosso. É Especialista em Saúde Pública e um Apaixonado por Blogs, escreveu o seu primeiro na área de enfermagem ainda em 2014.

Deixe um comentário