Neste artigo vamos abordar todas as características de um centro cirúrgico completo, desde a infraestrutura física necessária até as atribuições dos profissionais que trabalham nesse importante setor hospitalar.

O centro cirúrgico precisa de pessoal preparado e capaz de atuar com eficácia e segurança. A organização do ambiente também é essencial para que o fluxo de cirurgias corra bem. Deste modo, é necessário organização e planejamento de toda a equipe.

Vamos conhecer, primeiramente, a infraestrutura básica de um Centro Cirúrgico:

centro cirúrgico

Infraestrutura de um Centro Cirúrgico

Algumas unidades hospitalares podem ou não conter as dependências abaixo, isso dependerá da estrutura física de cada local. Em geral, existem as seguintes divisões:

Vestiários: são necessários para que a equipe faça as trocas de roupas. Nos vestiários também é importante que estejam à disposição da equipe: locais para guarda de pertences pessoais, sanitários e chuveiros. Os vestiários são importantes meios de barreira física e ajudam a diminuir o grau de contaminação do centro cirúrgico.

Posto Central de Enfermagem: O posto de enfermagem deve estar localizado em uma área central do centro cirúrgico. Essa localização central ajuda no manuseio de materiais e medicamentos. É no posto de enfermagem que deverão estar dispostos todos os insumos necessários às cirurgias, bem como todos os registros de controle administrativo da unidade.

Cozinha: deve ser um local afastado e separado fisicamente (por portas) das salas cirúrgicas. Destina-se ao consumo de alimentos pela equipe que atua no centro cirúrgico.

Área de troca-macas: corredor onde se troca a maca do paciente proveniente da internação pela maca específica do centro cirúrgico.

Sala de guarda de material: Dispensa onde estão disponíveis medicamentos e insumos para uso durante as cirurgias.

Lavados: destinados a higienização das mãos, devem conter: sabão, clorexidina e escovinhas para mãos, punhos e braços.

Expurgo: utilizada para desprezar o material utilizado durante o ato cirúrgico.

Sala de Operação: é a dependência do centro cirúrgico onde se realizam as operações. Ela deve estar separada do restante das repartições fisicamente e devem conter filtros de ar especiais para esses ambientes.

sala de operação
Exemplo de uma sala de operação típica.

Equipamentos Fixos do Centro Cirúrgico

No centro cirúrgico, podemos encontrar os seguintes equipamentos:

Foco de luz: utilizado para iluminar o campo cirúrgico.

Ar condicionado com filtros de ar: destinados a purificação do ambiente.

Tomadas elétricas: devem estar identificadas de acordo com a voltagem de saída (110V ou 220V).

Saídas de Oxigênio e de Ar Comprimido: destinadas a ventilação mecânica ou inalação.

Maquinário de Vácuo: destinado a sugar secreções ou líquidos do campo cirúrgico.

Eletrocautério ou bisturi elétrico: utilizado para realizar cortes na derme, epiderme, músculos e outros tecidos. Também é utilizado para coagular vasos sanguíneos, evitando hemorragias.

Monitor Multiparâmetros: Constitui-se de um monitor que exibe dados reais e ao vivo dos principais parâmetros vitais do paciente. Podem ser exibidos: batimentos cardíacos por minuto, frequência do pulso, eletrocardiograma, pressão arterial, oximetria de pulso, etc.

monitor multiparâmetros de um centro cirúrgico
Monitor Multiparâmetros.

Equipamentos Móveis do Centro Cirúrgico

Leito cirúrgico: é onde os pacientes são posicionados. Podem incluir braçadeiras, pedais para ajuste de posição, faixas e perneiras.

Mesa de Instrumentos: é a mesa onde ficam os instrumentos de sutura, agulhas, pinças, tesouras, bisturis, dentre outros instrumentais. Essa mesa deverá ficar o mais próximo possível do cirurgião. Geralmente, é o profissional instrumentista que assume essa mesa, sendo o responsável pela organização e conferência dos materiais.

mesa de instrumentos
Mesa de instrumentos cirúrgicos.

Mesa auxiliar: é a mesa onde se dispõe o material que será utilizado na operação.

mesa auxiliar com instrumentos para a cirurgia
Mesa auxiliar com materiais que podem ser úteis durante o procedimento cirúrgico.

Suportes de Soro: recomenda-se que a equipe disponha três suportes, para aumentar a perfusão, em casos de emergência ou parada cardiorrespiratória.

Carrinho de Anestesia: dispõe dos anestésicos e insumos para a anestesia do paciente. Não são todos os centros cirúrgicos que dispõe de mesa de anestesia.

Carro de Medicação: são dispostos os medicamentos para uso durante a cirurgia.

Carrinho de Emergência: deverá ser utilizado somente em caso de emergência. Deverá estar próximo ao local da cirurgia e de fácil acesso pela equipe de enfermagem.

Lixeira: precisam ser amplas e de preferência com rodinhas, para ajudar na remoção do lixo.

Coxins: para ajudar a posicionar o paciente.

Negatoscópio: utilizado para observação de radiografias.

Observação: Na sala de cirurgia, devem estar somente os materiais que de fato vão ser utilizados no procedimento. Assim, evita-se o acúmulo de materiais desnecessários e diminui-se o risco de infecção.

A equipe do Centro Cirúrgico

A equipe é composta por: médicos com especialidade em cirurgias, anestesistas, enfermeiros, técnicos, auxiliares de enfermagem e equipe de limpeza/almoxarifado. Além disso, os técnicos ou auxiliares podem assumir a função de instrumentador ou circulante de centro cirúrgico. Vamos conhecer em detalhes essas funções.

Em relação à equipe de enfermagem (enfermeiros, técnicos e auxiliares), temos as seguintes atribuições:

Enfermeiros

 No centro cirúrgico, os enfermeiros serão os responsáveis por:

  • Gerenciar a equipe multiprofissional e a infraestrutura do local.
  • Agendar cirurgias e elaborar a escala de trabalho de pessoal.
  • Coordenar a assistência de enfermagem que deverá ser prestada ao paciente.

Técnicos ou Auxiliares na Função de Circulantes

Os técnicos ou auxiliares são profissionais que “circulam” as salas de operação e organizam todo o material necessário às operações. Dentre as suas atribuições, temos:

  • Identificar solicitações de materiais especiais para cirurgias específicas.
  • Prover todo o material necessário na sala de operação (equipamentos, insumos, medicamentos, instrumentos, etc).
  • Realizar a limpeza de materiais.
  • Testar os aparelhos que serão utilizados na operação.
  • Dispor os materiais na sala de operação, como aventais, luvas, capotes, etc.
  • Equipar os carrinhos (anestesia, medicação e de emergência) com insumos e medicamentos, sempre checando as datas de validade das medicações.
  • Abrir os pacotes de materiais estéreis nas mesas.
  • Prestar auxílio ao instrumentador, fornecendo materiais e insumos quando solicitados.
  • Receber o paciente na sala de cirurgia, checar as documentações e exames do paciente.
  • Posicionar o paciente no leito, colocando-o na posição prescrita.
  • Prestar auxílio no que for necessário, ao paciente, caso este o solicite.
  • Auxiliar a equipe a se paramentar, fornecendo o capote e demais vestimentas.
  • Expor a área do corpo do paciente onde será realizada a operação.
  • Colocar a placa de bisturi elétrico abaixo da panturrilha do paciente, para evitar queimaduras decorrentes do uso desse equipamento.

O circulante também deverá permanecer na sala e deverá estar atendo a solicitações de materiais por parte da equipe.

Após o término da cirurgia, deverá providenciar o desligamento dos aparelhos, descarte os materiais utilizados no expurgo, higienização da sala de cirurgia e solicitar a limpeza terminal do local.

Técnicos ou Auxiliares na função de Instrumentador Cirúrgico

A função de instrumentador, consiste em auxiliar a equipe de cirurgia no ato operatório. Isso exige desse profissional, muitas vezes, especialização ou cursos nessa área, pois ele deverá estar sempre atento aos modos de manuseio, transferência e descarte dos insumos.

As suas atribuições são:

  • Organizar os materiais necessários ao procedimento.
  • Conhecer as funções e as diferenças de cada material, como: fios de sutura, agulhas e outros materiais.
  • Colocar o material necessário à operação de modo organizado na mesa de instrumentos.
  • Instrumentar ou repassar os materiais ao cirurgião, quando este os solicitar.
  • Manter a mesa de instrumentos organizada e livre de possíveis contaminantes.
  • Posicionar-se de modo a facilitar a passagem dos materiais ao médico cirurgião.

Agora, que aprendemos sobre os papeis desempenhados por cada componente da equipe de enfermagem, vamos discutir sobre a classificação das cirurgias nos centros cirúrgicos.

Classificação das Cirurgias

Elas podem ser classificadas em dois grupos: urgência e potencial de contaminação. No primeiro grupo, se encontram as cirurgias que precisam ser realizadas rapidamente, uma vez que representam risco de morte para o paciente se forem postergadas. No segundo grupo, são as cirurgias que são classificadas de acordo com o grau de contaminação da região.

Classificadas Quanto ao Tempo para Ser Realizada

Emergência: o paciente irá precisar da intervenção cirúrgica imediatamente. Ele não poderá esperar pela cirurgia. Na maioria dos casos, o paciente precisará ser operado nos próximos 15 minutos ou em menos tempo.

Exemplo: hemorragia interna grave.

Urgência: nesse caso, o paciente pode esperar por até 30 horas. São cirurgias que são necessárias, mas que não representam risco à vida por algumas horas.

Exemplo: presença de cálculos biliares; apendicectomia.

Eletiva: São cirurgias que obrigatoriamente deverão ser realizadas. Mas não precisam ser concretizadas nas próximas horas ou dias. O paciente pode esperar semanas ou meses. Assim, pode-se fazer um planejamento mais cuidadoso da cirurgia.

Exemplo: hérnias simples (desde que não estejam infectadas ou necrosadas).

Opcional: são cirurgias em que os pacientes podem decidir por fazer ou não fazer, sem apresentarem risco de vida caso não a façam.

Exemplo: cirurgias plásticas para fins estéticos.

Classificadas Quanto ao Grau de Contaminação

Limpas: são cirurgias com baixíssimo risco de infecção. As cirurgias limpas são realizadas em músculos, ossos ou outros tecidos que não são contaminados, como: trato gastrointestinal ou geniturinário. Exemplo: herniorrafia.

Potencialmente contaminadas: São cirurgias que incidem diretamente em tecidos contaminados, como as cirurgias gastrointestinais. Exemplo: gastroplastia. Nesses tipos de cirurgias, elas têm um grande potencial de contaminação.

Contaminadas: são as cirurgias que, pela natureza do evento e do tecido, já estão contaminados. Por exemplo: uma operação em uma ferida contaminada, ou uma bile com infecção.

Infectadas: são as cirurgias que ocorrem em regiões com presença massiva de infecção, inflamação e secreções. Por exemplo, perfuração de vísceras há mais de quatro horas.

Concluindo…

Portanto, essas foram as principais características relativas à infraestrutura e a distribuição da equipe de enfermagem e suas atribuições em centros cirúrgicos.

Você trabalhar nesse importante ambiente? Conte pra gente nos comentários!

Juarez Coimbra

É enfermeiro, doutorando em Enfermagem pela Universidade Federal de Mato Grosso. É Especialista em Saúde Pública e um Apaixonado por Blogs, escreveu o seu primeiro na área de enfermagem ainda em 2014.

Deixe um Comentário