O Calor e o Frio constituem aumento e diminuição da temperatura dos tecidos com fins terapêuticos.

Na enfermagem, podemos utilizar as variações de temperatura com fins terapêuticos para promover o cuidado de enfermagem.

A aplicação de calor e frio é realizada nas camadas mais superficiais da pele, no entanto, a irradiação da temperatura pode atingir tecidos profundos, como músculos e ossos.

Existem muitos benefícios em se utilizar esses dois elementos – calor e frio – como medidas terapêuticas, no entanto, é necessário saber o momento correto de adotar tais estratégias, uma vez que se aplicadas incorretamente, podem causar lesões nos pacientes.

Nesta postagem, vamos detalhar vantagens e desvantagens da aplicação de calor e frio nos tratamentos e o passo-a-passo da técnica de aplicação.

A Aplicação do Calor e Frio, Funciona Mesmo?

A utilização de altas e baixas temperaturas, consiste em utilizar bolsas térmicas, banhos úmidos ou compressas, no sentido de provocar melhora do estado de saúde dos pacientes. Vejamos os benefícios e malefícios dessa técnica.

Benefícios

Dentre os benefícios, podemos elencar os seguintes:

  • Possibilitam conforto ao paciente, por meio da redução do inchaço ou diminuição da sensação dolorosa (calor ou frio).
  • Podem diminuir a dor, por meio do bloqueio temporário dos receptores de dor (frio).
  • Contribuem para o relaxamento muscular, ao aumentar ou diminuir a quantidade de sangue nos músculos e favorecer a oxigenação tecidual (calor).
  • Permitem diminuir a dor local após a administração de medicamentos irritantes à pele e ao músculo (frio).
  • Diminuem o inchaço da região, ao permitir a restrição de fluxo sanguíneo para o local, por meio da constrição dos vasos sanguíneos (frio).
  • Diminuem área de infiltração medicamentosa (quando o medicamento sai da veia/artéria ou do músculo) e se acumula entre os tecidos (calor).
  • Permitem controlar a hemorragia, ao diminuir o fluxo sanguíneo para o local (frio).
  • Podem ajudar a diminuir a temperatura corporal (frio).
  • Podem diminuir a possibilidade de surgimento de bolhas nas lesões de 1º grau (frio).
aplicação do calor e frio

Malefícios

Apesar de tais benefícios, também devemos estar atentos aos possíveis malefícios dos tratamentos que utilizam as variações de temperatura, eles são:

  • A aplicação de calor e frio requerem atenção especial quando aplicados em idosos, crianças, pessoas com perda de sensibilidade na pele ou pessoas inconscientes, uma vez que o risco de lesão é mais alto.
  • Risco elevado de queimaduras, o que requer da enfermagem o monitoramento da temperatura ideal (calor: 36,6ºC a 40,5ºC e frio: 0ºC a 30ºC).
  • Mesmo em pessoas com sensibilidade normal, a aplicação de bolsas térmicas quentes e frias precisam ser monitoradas, uma vez que o frio e o calor reduzem a sensibilidade da pele.

A literatura em enfermagem nos traz estudos atuais de que a aplicação de calor e frio contribuem significativamente para a melhoria do quadro clínico do paciente, portanto, são técnicas de cuidados que podem ser utilizadas livremente pela enfermagem.

Assim, médicos, enfermeiros, técnicos e auxiliares de enfermagem podem utilizar essa técnica no dia a dia da assistência.

calor e frio

Aplicação de Calor

Consiste na aplicação de bolsa térmica aquecida (em micro-ondas ou imersa em água quente) em determinada área a ser tratada. Para reduzir o risco de queimadura, recomenda-se enfaixar a bolsa térmica, para se evitar que ela entre em contato direto com a pele do paciente.

Esse método é contra indicado nas seguintes situações:

  • Aplicação direta em feridas cirúrgicas. Isso poderá causar hemorragia no local e dificultar o processo de cicatrização.
  • Em lesões hemorrágicas. O calor aumenta o volume de circulação do sangue, o que aumentaria a gravidade da hemorragia.
  • Luxações, fraturas ou torções nas primeiras 24 horas. Nessas primeiras horas da lesão, o calor poderá aumentar o inchaço (edema) da região.

Como Proceder?

  • Higienizar as mãos conforme as recomendações de biossegurança do hospital.
  • Separar o material necessário (bolsa térmica, água quente e toalhas).
  • Orientar paciente e familiar a respeito dos benefícios e riscos da terapia com aplicação de calor.
  • Caso a bolsa térmica seja do tipo no qual se preenche o líquido (quente ou frio), complete até o volume de 1/3 da bolsa. Faça a vedação para evitar o extravasamento do líquido quente.
  • Envolva a bolsa em faixa, tecidos ou toalhas para evitar o contato direto com a pele.
  • Aplique sobre a região por no máximo 20 minutos.
  • Após esse tempo, reavalie o local da aplicação quanto a retirada ou manutenção do tratamento.
  • Após a aplicação, esvazie a bolsa e a higienize com álcool a 70%.
  • Deixar o ambiente em ordem.
  • Higienizar as mãos e proceder ao preenchimento do relatório de enfermagem.

Observação: A aplicação de compressas quentes segue a mesma lógica. Sendo apenas necessário torcer a compressa antes de aplicá-la no paciente. Assim, evita-se que a pele fique úmida excessivamente.

Aplicação do Frio

Consiste em administrar bolsa térmica fria sob a pele do paciente. O ideal é que sejam utilizadas bolsas térmicas geladas, mas não congeladas, uma vez que o gelo pode causar queimaduras quando aplicado sob a pele.

Essa técnica é contraindicada nas seguintes situações:

  • Pacientes que são idosos e que estejam inconscientes.
  • Pacientes com cianose local, uma vez que diminui o fluxo sanguíneo para a região e se aumenta o risco de necrose tecidual.
bolsa fria

Como Proceder?

  • Higienize as mãos conforme as recomendações da sua unidade hospitalar.
  • Reúna o material necessário (bolsa térmica, toalhas ou faixas).
  • Oriente o paciente quantos aos riscos e benefícios da aplicação do frio.
  • Verifique as condições da bolsa térmica. Caso seja identificado algum vazamento, providencie a troca imediatamente.
  • Colocar água gelada no interior da bolsa, preenchendo 1/3 do seu total. Caso a bolsa térmica não necessite ser preenchida com água gelada, leve-a ao freezer ou congelador pelo tempo indicado pelo fabricante.
  • Envolva a bolsa com algum tecido, evitando o contato direto com a pele do paciente.
  • Aplique sob o local desejado por cerca de 20 minutos. Em seguida, reavalie a necessidade de novas aplicações.
  • Após a aplicação, esvazie a bolsa e a higienize com álcool a 70%.
  • Higienize as mãos.
  • Faça o registro no prontuário do paciente.

As compressas frias podem ser feitas da seguinte maneira: mergulhe uma toalha ou faixa em água gelada, torça para retirar o excesso de umidade e aplique sob a pele do paciente. As compressas geladas geralmente são aplicadas sob a testa ou olhos, para reduzir inchaço e dor.

A terapia de aplicação de frio também pode ser utilizada para redução da febre, como mencionado anteriormente. Nesses casos, proceder a inserção da bolsa térmica abaixo das axilas e nas regiões próximas a virilha. Essas regiões possuem grande fluxo de sangue e contribuem para baixar a temperatura rapidamente.

Você já utilizou esses procedimentos em seus plantões? Conte pra nós sua experiência!

Juarez Coimbra

É enfermeiro, doutorando em Enfermagem pela Universidade Federal de Mato Grosso. É Especialista em Saúde Pública e um Apaixonado por Blogs, escreveu o seu primeiro na área de enfermagem ainda em 2014.

Deixe um Comentário